20 de ago de 2010

Livros, memórias e melancolia

Como é sabido, a melancolia é um de meus traços mais peculiares. Gosto muito de recordar dos bons momentos, das boas conversas, dos gostos, dos cheiros, das cores...

... de tudo aquilo que, por razões que me escapam da compreensão, ficou guardado nos recônditos de minha mente. 

Ressalto que não se trata de lamúria ou de um juízo de valor em relação ao presente, como se aquilo que já passou fosse sempre melhor do que aquilo que flui agora.

No começo dessa semana algumas belas memórias vieram visitar minha mente de forma tão repentina que me causaram espanto.

Eu sou um amante dos livros. Uma boa leitura está incluida entre as coisas que mais gosto de fazer na vida. E quando penso no início desse "relacionamento", dessa paixão, sempre me remeto ao segundo ano do ensino médio (2002). Até então, lidava apenas com as leituras escolares e com gibis.
Nesse ano um amigo me mostrou o livro que acabara de ler: Harry Potter e a pedra filosofal. Me contou que tinha gostado muito do texto, da história etc. Eu, como bom ouvinte, fiquei instigado com aquela empolgação com que ele me narrava. 
Então ele me perguntou: "Não gostaria de lê-lo? Eu te empresto!"
Pra mim esse sempre foi o "momento primeiro" de minha íntima relação com os livros. Naquele mesmo ano li muitos outros e acabei adotanto um hábito que o meu amigo tinha: listar o nome daqueles lidos. 

O mantenho até hoje. A cada livro lido, aponto seu nome, o do autor e o ano em que li.

E foi justamente num desses momentos, em que eu anotava o nome de mais um livro lido, que me veio um turbilhão de lembranças:
- me recordei que aos dez anos, na quarte série (1996), ganhei dois livros; eram duas obras infanto-juvenis; em uma, uma história de suspense que se ambientava em Pirenópolis - GO, durante as cavalhadas; a outra, contava a história de um menino que vivia em um circo e tinha como amigo um palhaço-fantasma.

Tudo isso me surgiu do nada. E de uma forma tão viva, que fiquei extasiado! Comecei a lembrar de algumas figuras dos livros, de alguns detalhes de certos personagens... enfim, como disse, um turbilhão de lembranças.
No mesmo momento recorri ao oráculo pós-moderno (google) na ânsia de encontrar o nome dessas obras. A primeira foi fácil:


É difícil descrever o que senti ao ver essa capa novamente! E com isso, lembrei de muitos outros detalhes, como o fato de ter ficado tão empolgado com o livro, que o levava para ler na escola (durante a aula... rsrs), e ainda que cheguei a relê-lo várias vezes, de tão boa que era a história (não me lembro de ter feito isso com outros livros).

Depois desse frenesi, me voltei à segunda obra. Essa, num primeiro momento, me deu muito trabalho. Dessa eu não tinha lembrança de muitos detalhes, o que me atrapalhou um bocado! Nesse dia cheguei a ficar com a cabeça um pouco cansada, de tanto me esforçar pra lembrar o nome do personagem principal. Desisti.

No dia seguinte, tentei novamente. E dessa vez consegui:


Aconteceu o mesmo de quando vi a primeira capa. Vieram à mente os detalhes dos quais já não me lembrava mais.

Que alegria!

Naquele dia passei boas horas deitado, me deleitando com todas minhas memórias, abusando de meu melancolismo. 

Lembrei da alegria pueril de encantamento; das fracassadas tentativas de contar para meus coleguinhas sobre as viagens que eu fazia por meio daqueles livros (me lembrei até do semblante de estranheza que eles faziam enquanto eu falava... rsrs); enfim, me lembrei de todo aquele universo em que eu vivia...

Achei a experiência fantástica! Como pude lembrar de tudo isso naquele momento? E por que não ocorrera antes?

Ah, a nossa mente! Ela me fascina tanto quanto o universo! 


P.S - os livros em questão passaram a figurar no topo de minha lista, e certamente estarão dentre minhas próximas aquisições.
P.P.S - não li os outros livros de Harry Potter... rsrsr

16 de ago de 2010

Por aí

Apesar do meu sumiço desde a copa do mundo, todas as coisas estão em seus devidos lugares.
Nesse meio tempo passei uns poucos mas maravilhosos dias com meu pai. Mobilidade: Eis uma das melhores vantagens de ser profissional liberal.

Continuo com aquele problema de deixar determinados comentários pra serem feitos depois. E esse depois nunca vem! 

Outro motivo é a distância em relação ao computador. Tirando quando estou trabalhando, eu praticamente não ligo meu pc.

Bem, é isso. Sigo por aí...